='cap-left'/>

Maite Carranza - Palavras Envenenadas

Particularmente, nunca li nada da autora e antropóloga Maite Carranza, (autora, entre outros, de Anaid e o Clã da Loba), mas considerei ótimo ter estreado com esse livro intenso, Palavras Envenenadas (Editora Novo Conceito / 2011 - 263 páginas) ...À título de curiosidade, a obra venceu o 18º Prêmio Edebé de literatura juvenil, uma premiação literária catalã. *Aliás, é impossível não assimilar a nacionalidade da trama, pois no decorrer da leitura temos várias menções a localidades, cultura e personalidades espanholas que por vezes até me senti fora de contexto, “boiando” mesmo (risos).


Palavras Envenenadas
Maite Carranza


Bárbara desapareceu há quatro anos – aos quinze – sem deixar qualquer pista concreta, ainda que haja dois suspeitos principais contra os quais nunca se conseguiu provar nada: um ex-namorado problemático e um professor com tendências pedófilas.
No presente momento, é o último dia de serviço do subinspetor Salvador Lozano antes de sua aposentadoria, e uma das coisas que mais lhe doem nessa “passagem” é a ideia de deixar casos sem solução, sobretudo o caso de Bárbara, com o qual se envolveu muito nos anos de investigação infrutífera. O que terá acontecido com Bárbara Molina?

Em seu cativeiro Bárbara vive um verdadeiro pesadelo: é abusada física, psicológica, emocional e sexualmente por uma mente doentia, temendo morrer esquecida no porão de 15 metros quadrados em que vive isolada do mundo exterior.
"(...)E me vendi por um prato de lentilhas. Não poderia dizer isso de outra fora. A comida fez com que eu me tornasse submissa e acabou com o sofrimento. Eu me transformei em um cachorrinho que lambia a mão daquele que enchia meu prato a cada dia, balançava o rabinho e aceitava suas carícias por um osso." Página 151

A agonia do sumiço da jovem acabou com a saúde de sua mãe, Núria Solís, que se tornou uma pessoa depressiva e submissamente dependente do marido, a quem fica até feliz em delegar todas as preocupações. Não é uma mãe carinhosa e presente com os filhos gêmeos, e se martiriza pelo sumiço da primogênita, a quem talvez tivesse sido muito permissiva: Porque Bárbara desapareceu? Será sua culpa? Onde errou como mãe?
“Os vivos enterram os que falecem e choram. Levam flores na sepultura e fazem visitas no dia de Finados. Mas ela não sabe se Bárbara está viva ou morta. Não sabe se deve chorar e passar pelo período de luto ou se deve manter viva chama da esperança. Esta dúvida, este ir e vir constante, foram-na corroendo.” Página 21

Eva Carrasco foi grande companheira de Bárbara quando crianças, dividiam segredos. Mas antes do desaparecimento houve uma mudança drástica naquela relação: as meninas não mais se confidenciavam, Bárbara preferia companhia do professor manipulador, e até mesmo “roubou” o rapaz por quem Eva estava interessada. Acreditando que a amiga estivesse morta, Eva surpreende-se quando recebe dela uma ligação, pedindo ajuda. E isso é o início do fim...
“(...) Diziam que formavam o par perfeito, a bonita e a feia, a esperta e a intelectual, a extrovertida e a tímida, a sensual e a frígida. Porque Bárbara era muito sensual. Desde criança, desde muito pequena, Eva observou que os homens e os garotos ficavam olhando para bárbara. A forma de caminhar, de mexer o quadril, de dançar ou chupar uma bala, fazia tudo com uma sedução infantil e ingênua, mas terrivelmente adulta.” Página 142.


Com mais introspecção que diálogos e ação justamente por ser narrado alternadamente por diferentes personagens, o livro consegue prender pelo clima de tensão e verossimilhança que exala. É como se conseguíssemos conhecer múltiplas Bárbaras que se completam: a Bárbara que a polícia procura – através do subinspetor; a Bárbara filha – através de sua mãe; a Bárbara amiga – através de Eva; e por fim, a Bárbara revelada por si mesma. Os sentimentos dessas quatro pessoas são “dissecados” de uma forma que me agradou imensamente.
Em mergulhos profundos por suas lembranças, capítulo a capítulo vamos refazendo a história de Bárbara, criando conjecturas com relação ao desfecho... que, sem dúvidas, é surpreendente. Não vou entrar em detalhes sob o risco de soltar algum spoiler indesejável, mas apenas creiam-me quando digo que é um livro MUITO BOM, conseguiu me surpreender.

... Finalizando, não posso deixar de frisar o quanto a trama desse livro é atual. Nos últimos anos a mídia tem divulgado notícias similares, de pessoas desaparecidas que, descobriu-se depois, estavam cativas das vontades de verdadeiros doentes mentais, exatamente como Bárbara. Ainda que “Palavras Envenenadas” seja uma obra fictícia, é nítida a pesquisa da autora e a preocupação com o estado psíquico e emocional dos envolvidos, fazendo com que o leitor entenda, e até mesmo sofra "junto com eles". Sim, por vezes o livro é um tanto depressivo, e o desfecho causa mal estar, mas por isso mesmo é uma ótima leitura.

Recomendo “Palavras Envenenadas”, um livro com um tema forte e polêmico... O Namorado? O Professor? Uma terceira pessoa? Façam suas apostas, pois o clima de mistério é um atrativo a mais, e mantido até quase as últimas páginas.
http://1.bp.blogspot.com/_6Sua73Nf8Cw/TGqKiU9LEpI/AAAAAAAAAJ4/JuYUjdazC1s/s1600/assinatura1.png

Comentários
25 Comentários

25 comentários:

  1. Nossa, este livro deve ser mesmo bom. Adoro filmes de investigação criminal ou policial, mas quando aborda o outro lado, o lado da vítima ou da família, acho o máximo. Vou ter que ler este livro. obrigada pela dica, valeu mesmo. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Sa
    Imagino que esse livro seja muito bom.
    O tema é forte não?
    Adorei suas citações, logo logo quero ler o livro.

    Beijokas

    ResponderExcluir
  3. Ei Sabrina,

    Fiquei muito curiosa lendo a resenha, para saber quem pegou a menina e o que aconteceu com ela depois do telefonema.

    Agora este não é o tipo de livro que me atrai, não sei se pela trama pesada ou se pela capa que eu não gostei rs.

    bjoo

    ResponderExcluir
  4. Naum gosto da capa mas quero ler, parece ótimo!!!

    http://conversandocomdragoes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, eu já tinha ouvido falar desse livro, mas depois de sua resenha fiquei muito curiosa para ler! ele parece ser um livro muito bom ^^

    Beijos,
    Books Lovely

    ResponderExcluir
  6. Olá! Acho que vou deixar esse livro passar. Não sou fã desse tipo de drama. Mas gostei da resenha!

    Beijos, Ju

    ResponderExcluir
  7. Esse livro parece mesmo ótimo. Mas como acabei de ler 3096 Dias, da Natascha Kampusch, preciso dar um tempo até pegar algum livro assim forte de novo. Mas já está na lista de futuras leituras.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Eu li uma resenha desse livro no Supreme Romance. Achei bem pesado. Interessante, mas foge do meu gosto literário.

    bjokas

    ResponderExcluir
  9. cara, arrepiei com essa resenha! primeira vez que ouço falar desse livro, me parece tenso, mas muito bom! vou procurar!!
    beijocas

    ResponderExcluir
  10. A principio não tinha dado nada pelo livro, mas com essa resenha - a 1ª que leio -, tipo surtei legal!!!
    Palavras Envenenadas deve ser aquele tipo de livro que você fica até afobado pra passar as páginas!
    Quero muito ler, aiai viu!

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Eu to mega feliz de quantos blogs eu to entrando e vendo resenhas de auores brasileiros! Isso é magnifico! Paabrns pela sua! :)

    Passando pra avisar que hj tem resenha de Amante Eterno la no blog! Comenta?1 @_@

    Beijos! :*

    ResponderExcluir
  12. Nossa fiquei muiito curiosa com a sua resenha principalmente quando você foi intercalando com as citações! Amei *--* Me deixou com mt vontade de ler o livro.
    Beijos,K.
    Girl Spoiled

    ResponderExcluir
  13. Acho que sou a única que não tenho vontade de ler esse livro, ele ainda não conseguiu chamar a minha atenção =(

    ResponderExcluir
  14. Um livro bem diferente do que estou acostumado a ler, mas adorei a premissa dele. =)
    Não conheço nenhuma obra da autora também, acho que essa vai ser a primeira. haha

    ResponderExcluir
  15. Uau! Fiquei devidamente impressionada, e apesar do medo, quero ler esse livro!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. HAAA. Deve ser muito bom! Amei a resenha. Parabéns, Sabrina. Eu vi hoje até esse livro vendendo na saraiva e vi outro livro também mas contando uma história real da menina que ficou presa 3096 dias em cativeiro, Natascha Kampusch. Me interessei bastante! Tá na lista! E fica a dica desse livro, uma autobiografia.

    ;)

    ResponderExcluir
  17. Eu tinha visto sobre o livro, mas nunca tinha lido a resenha dele. Adorei!

    O tema é realmente forte! Entrou definitivamente, para minha lista!

    BjoO
    Pri
    Entre Fatos e Livros

    ResponderExcluir
  18. Gostei do livro, apesar do tema forte e polêmico, a estória é interessante e vale a pena ser lida.

    ResponderExcluir
  19. O livro parece ser muito bom mesmo e apesar de ser bem pesado fiquei com vontade de ler sem contar a curiosidade para saber o que aconteceu.

    ResponderExcluir
  20. Oi!

    Nossa, esse livro parece mesmo bom. Muita carga emocional hein? E, como você falou, um assunto altamente real e atual, como lidar com o desaparecimento de alguém, sem saber se está viva, se está morta, um horror. Preciso ler.

    Bjos!

    ResponderExcluir
  21. Ai...amo esse tipo de enredo, que mostra o lado psicologico dos personagens. Com tanta emoção que quase poderia ser veridico. Vou colocar na minha lista já, para não esquecer. Bjksss

    ResponderExcluir
  22. Nossa! Que intrigante essa história, hein? Acho que se eu lesse, iria sentir os músculos enrijecerem de tensão a cada narrativa!

    ResponderExcluir
  23. Muito 'forte', mas não deixa de ser um livro bom, vale a pena.
    Gostei do jeito que ela escreve.

    ResponderExcluir
  24. cara, que historia sensacional. meu tipo de literatura favorita. fiquei com muuuuuuuuuuuita vontade de ler pois nunca li nenhum policial de nenhum escritor/a catalã

    ResponderExcluir