='cap-left'/>

Philippa Gregory - A Princesa Leal

“Sou Catalina, princesa de Espanha, filha dos dois maiores monarcas que o mundo conheceu: Isabel de Castela e Fernando de Aragão. (...) Desde que tinha 3 anos de idade fui prometida em casamento ao príncipe Arthur, filho do rei da Inglaterra, e quando completar 15 anos viajarei para esse pais em um belo navio com a minha bandeira adejando no topo do mastro, e serei sua mulher, depois sua rainha.(...) Tudo isso foi combinado desde o meu nascimento, eu sempre soube o que seria; e apesar de lamentar deixar minha mãe e minha casa, nasci princesa, destinada a ser rainha, e sei meu dever.”
(Página 12)

A Princesa Leal
Philippa Gregory

Narrando sua vida aos 5 anos como uma Infanta de Espanha e princesa de Gales - a noiva prometida de Arthur, filho do rei da Inglaterra - no acampamento de Granada durante o cerco contra os mouros, Catarina de Aragão inicia a trama de “A Princesa Leal”. Após a vitória conseguida pela persistência e pela “Vontade de Deus e da rainha Isabel de Castela”, há o relato dos anos seguintes, e a nova cultura herege fascinante.
Aos 15 anos Catarina se muda para a Inglaterra e casa-se com Arthur, mas a morte prematura do esposo não a torna rainha. Então, presa por uma promessa, Catarina planeja ficar e lutar para realizar o que seu destino lhe garantiu desde a infância: a coroa da Inglaterra.
... Foi uma luta bem árdua, pois o rei não lhe cedia os direitos de viúva e os pais de Catarina não a deixavam voltar para a Espanha sem os direitos garantidos. Desta forma, Catarina manteve-se hostilizada pela corte em um país estrangeiro, sem bens e com uma pequena remuneração, contando apenas com sua determinação, e sua leal constância a uma promessa feita ao marido.

Cronologicamente, os eventos de “A Princesa Leal” (Editora Record/ 2009- 447 páginas) abririam essa serie “TUDOR” da Philippa Gregory... Aqui, Philippa Gregory propõe que o casamento entre Catarina e Arthur Tudor, iniciado como uma comum união arrajanda, tornou-se um relacionamento de amor – definitivamente consumado. Isso seria um segredo que Catarina escondeu de todos, e manteve essa farsa firme durante toda sua vida, pois quando Arthur percebe que ele não vai sobreviver à maleita, manda que a esposa se case com seu irmão caçula Harry, de modo que ela ainda pode se tornar a rainha da Inglaterra, como eles sempre sonharam:

"—Amo-te – disse ele, seus lábios rachados e enegrecidos com a febre.
—Amo-te – replicou ela.

—Estou morrendo – disse ele com tristeza. (...) Mas você tem de ser a rainha da Inglaterra. (...) Case-se com Harry. Seja rainha. Tenha nossos filhos. (...)

—A Inglaterra precisa de uma grande rainha – disse ele. – Especialmente com ele. Ele não foi feito para governar. Você tem de ensiná-lo. Tem de construir meus fortes. Construir minha marinha. Defender meu país contra os escoceses, ter minha filha Mary, ter o meu filho Arthur.

—Deixe-me viver através de você. (...) Deixe eu fazer isso – ele sussurrou, com ansiedade. – Que eu mantenha a Inglaterra segura por meio de você. Que eu viva por meio de você.

—Sou sua mulher – disse ela impetuosamente. – Não dele.

—Diga-lhes que não é . (...) Diga-lhes que eu não consegui fazer. – Um indício de sorriso apareceu em sua face exangue. – Diga-lhes que eu era impotente. E então se case com Harry.(...)

—Ele será rei – disse Arthur em desespero. – Portanto você será rainha. Case-se com ele. Por favor. Minha amada. Por mim."
(Página 181)

Igualmente aos outros livros da autora de série Tudor, “A Princesa Leal” também é um romance fictício com fundo histórico e personagens reais... e é ótimo ousar entrar nos pensamentos da mais digna rainha consorte que a Inglaterra já teve, além de acompanhar “de camarote” as intrigas e manobras políticas que rondou esse período. Então, nesse livro temos uma visão privilegiada da vida da rainha Catarina em trechos narrados em primeira pessoa, os anos entre a morte de Arthur e o segundo casamento com Henrique VIII, quando ele era apenas um menino egocêntrico e ela era a dama mais linda da Inglaterra.
As pessoas que estão familiarizadas com a história da casa Tudor podem conhecer o básico sobre avida sofrida de Catarina: primeira esposa (de um total de 6) do rei Henrique VIII, que a abandonou e trocou por Ana Bolena, e para conseguir repudiar a esposa até mesmo criou a igreja Anglicana, pois a sua fé tradicional nunca o apoiaria. Mesmo humilhada como foi em “A irmã de Ana Bolena”, Catarina era uma esposa irrepreensível, que apenas não teve a sorte de dar ao rei um filho varão que sobrevivesse, dentre tantas crianças natimortas.

Eu ainda tenho algumas lembranças dos tempos de colégio e adaptações cinematográficas para corroborar com meus parcos conhecimentos sobre a casa Tudor, e também a leitura de “A Irmã de Ana Bolena” e “A Herança de Ana Bolena", e já sabia o que esperar ao fim... Então, vou apenas falar dos sentimentos que leitura de “A Princesa Leal” me proporcionou:
Foi ótimo ler o livro e acompanhar os momentos de fictícia introspecção de Catarina de Aragão. Pode estar mais longe da verdade do que qualquer biografia histórica, mas esse livro trata-se de um ROMANCE e eu ADOREI conhecer um pouco mais de Catarina, sua família, infância, seu pouco tempo com Arthur, e seus planos de ficar e assegurar sua coroa, contra a vontade de todos...
A única coisa que não gostei é que o final foi um tanto apressado, e já pulou da vitória de Catarina sobre os escoceses para encerrar-se quando ela está prestes a entrar no tribunal onde será julgada a veracidade de seu casamento com Henrique VIII. Ainda que seja contado com mais detalhes em “A Irmã de Ana Bolena” ( e por isso eu saiba que Catarina simplesmente brilhou nesse momento triste), em “A princesa Leal” não inclui o veredicto, nem fala do fim de sua vida, muitos anos depois, como uma princesa exilada, e vi isso como um desperdício, pois eu adoraria saber o que ela estava "pensando" nesses momentos, quais reflexões faria sobre sua vida, se valeu ou não a pena ser tão leal na promessa que fez de realizar o desejo da mãe, e do esposo... Acho que a autora deixou passar um grande momento, encerrando tão abrupatamente.
Mas, no geral, ainda estou muito abobalhada com a grandeza dessa série e do período histórico/político/social que ela abrange, para me importar com esses pormenores (risos). A narrativa de Philippa Gregory é muito rica em emoção, então prende o leitor ao drama do personagem, de modo que se torne impossível largar a leitura... Sem falar nos conhecimentos que acompanhar essa série agrega ao leitor, claro.
Recomendo, sem medo de errar!

A Série Tudor - de Philippa Gregory, conta com 7 livros, dos quais 5 foram publicados no Brasil. Seguem títulos, personagem e capas lindas. Em breve todos estarão resenhados por aqui =)


The Constant Princess - A Princesa Leal (Catarina de Aragão);
The Other Bolenyn Girl - A Irmã de Ana Bolena (Maria e Ana Bolena – amante e 2° esposa de Henrique);
The Bolenyn Inheritance - A Herança de Ana Bolena (Ana de Cleves e Catarina Howard – 4ª e 5ª esposas de Henrique VII);
The Queen’s Fool - O Bobo da Rainha (Eduardo VI, Maria I e Elisabete I – filhos de Henrique VIII + o cortesão Robert Dudley),
The Virgin’s Love - O Amante da Virgem (Elisabete I e Robert Dudley)
The Other Queen *não publicado no Brasil
The Wise Woman *não publicado no Brasil

Mais informações no site oficial da autora, AQUI.
http://1.bp.blogspot.com/_6Sua73Nf8Cw/TGqKiU9LEpI/AAAAAAAAAJ4/JuYUjdazC1s/s1600/assinatura1.png

Comentários
22 Comentários

22 comentários:

  1. Aiii Sabrina me deixastes doida agora!!! Vai para a lista de desejados correndooo! Adorei a resenha, fiquei doida pelo livro, pois é bem o meu estilo de leitura! E que capas lindas hein?! Bjss!

    ResponderExcluir
  2. Caramba,
    estou desesperada por essa série, mas so livros são tàaaaao caros que n me animo em comprar! Acho q vou pedir de niver, hehehe

    beijos Sa!

    ResponderExcluir
  3. Oi Sabrina!
    Ótima resenha, estou encantado com toda a percebção que voce teve do livro. Eu concordo totalmente com voce.
    Já li esse livro e sou apaixonada com a Philippa, ela é ótima com esses romances históricos.
    E eu também concordo com sua opinião do final, teria que ter mais coisas ne? Eu queria muito saber como a Catarina ficou.
    Maais aqui, como voce diz que é ficcção? Não estrage meu pensamento de que Catarina teve um caso de amor com os dois irmãos! HSUAHS
    Brincadeirinha! Mais que podia ser verdade, podia. Aai adoro esse livro. Me deu vontade de ler de novo depois dessa resenha.
    Beeijos!

    ResponderExcluir
  4. Nossa eu nao sabia dessa serie ainda e simplesmente me encantei. Adoro livros sobre realezas e suas historias. Uma ficção que envolve historia e varios personagens polemicos...Imagina deve ser fantastico!!!
    Coloquei na minha listona com varias estrelas d prioriedade kkkk

    ResponderExcluir
  5. Fico até envergonhada de dizer que não sei muito sobre essa história.

    Tanto que quando comecei a ler, logo pensei que seria uma daquelas histórias de amor proibido por causa de um casamento destinado.

    Mas com o progresso da leitura de sua resenha fiquei fascinada.

    Com certeza um livro que adoraria ler!

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  6. Que interessante!
    Fiquei super curiosa, pois adoro livros que se passam em épocas antigas, com romances históricos.Ainda mais por que não conheço a série.
    Este livro com certeza irei ler!
    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Muito legal o blog, e as promoções também!

    ResponderExcluir
  8. Estou desejando esses livros a muito tempo, que pena que são muito caros. Adorei sua resenha e aumentou mais ainda a desejo de ler esses livros.

    ResponderExcluir
  9. Nossa, esse trecho q vc escolheu e postou é super forte. Ele a ama, mas tem todo aquele sentimento patriótico, coisa de Rei mesmo, sabe. Abrir mão da mulher em seu leito de morte mas exigir essa promessa dela, que cuide de seus vassalos, de seu povo e seja Rainha como deve ser...
    Eu já li as resenhas dos outros dois livros em outro blog e havia curtido bastante a estória. Livros de epóca sempre me atraem. Adoro as vestimentas (e consequentemente gostei das capas da série) dos costumes, as vezes penso que gostaria de viver naquela epóca. Mas talvez só porque eu tenha essa visão romântica das coisas.
    =)
    Eu sempre gosto de saber a média de páginas dos livros, ou também de preços (se não for pedir demais) rs.
    Se bem q eu posso deixar de ser preguiçosa e procurar por mim mesma, né?! hauahauha
    Amei a resenha. Dica anotada já.
    Dani
    @CrisMarreiros

    ResponderExcluir
  10. Essa estória parece ser ótima... adorei a resenha... mas po sééérie!!?1?!!?

    hahaha

    Adorei!

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Ai está uma série que me faz ficar coçando de raiva de não ter, adoro história e contada mesmo sendo de forma fictícia me encanta, conheço um pouco da história e quero muito ler todos os livros.

    ResponderExcluir
  12. Eu preciso comprar o resto da série...
    Adoro históricos! Esse terceiro parece estar tãooo legal...
    Aff! Mas sem grana para comprar esse! T.T

    bjuss

    ResponderExcluir
  13. A única coisa que me atrai nesse tipo de livro - quando bem escrito, como você citou - é o conhecimento que ele proporciona sobre fatos do passado mas no todo eu não gosto muito desse tipo de leitura. Acho cansativa. Prefiro deixar para ver isso nos filmes.
    E apesar de ter essa opinião, acredito no valor que uma obra dessa tem, e para ser uma série tão grande, a autora deve ser muito boa.

    =**
    May
    It Cultura

    ResponderExcluir
  14. Nossa, parece ser uma série incrível. Adorei o trecho que você colocou, fez com que eu quisesse ler o livro agora, rs.

    Muito boa a resenha! Vou colocar o livro na lista, claro né! ^^

    Beijos, Ju

    ResponderExcluir
  15. Bá... parece ser uma ótima série!
    Gosto de romance histórico!
    Adorei as capas, vou acompanhar todas as resenhas por aqui...

    Bjus
    Gisele

    ResponderExcluir
  16. Ai caramba, pelo visto minha lista de livros aumentouu consideravelmente com esta série. bjs, Rose;D

    ResponderExcluir
  17. Adoro histórias assim, eu vi o filme "A outra" das irmãs Bolena e, apesar de ser muito triste, gostei. Na escola adorava estudar história *-*
    Fiquei com vontade de ler essa série e espero arranjar um tempinho para lê-las em breve rsrs
    Bjus, adorei o post =)

    ResponderExcluir
  18. Não conhecia essa série. Pela sua resenha, achei bem interessante. O problema é que já tem tantos livros na minha fila de espera, que vai ficar complicado de ler agora, mas já está na minha lista.

    ResponderExcluir
  19. Gosto desse tipo de livro, mas saber que o final deixa a desejar, me tirou o interesse mesmo porque eu não sei nada da familia Tudor e da Ana Bolena que até já ouvi umas fofoquinhas ao respeito mas nunca fui conferir.Mas realmente as capas são divas. Bjkssss

    ResponderExcluir
  20. Não conhecia a série, adorei!

    Adoro histórias medievais.

    ResponderExcluir
  21. Livros que tem um final a desejar é meio chato, mas acho que é de cada um, tipo, tem gente que diz que foi um final bom e outros não.
    Histórias assim, medievais, são bem interessantes.
    Gosto muito.

    ResponderExcluir
  22. Amo ler livros de época. Então após ler essa sua resenha, estou bastante curiosa sobre o restante da história. Claro que vou procurar o livro para ler. Gostei muito da resenha.

    ResponderExcluir