='cap-left'/>

Janaina Rico - Ser Clara


“Ser Clara”, da Janaina Rico, foi lançado pela Editora Underworld em 2012. Recebi o livro da autora no ano passado, mas devido à correria do dia-a-dia, demorei a ler.

O livro conta a história de Clara, uma mulher de quase 30 anos, professora, que se descreve (muitas vezes) como muito bonita; um mulherão. Essa modéstia da personagem foi uma das coisas que mais me incomodaram na leitura, pois ela realmente gosta de dizer o tempo todo o quanto é “muito boa”.

A história de Clara começa no casamento de Laura, sua melhor amiga, com Pedro, um cara meio antipático. Na festa, ela conhece João Thomas, um cara bonitão com quem ela vai para cama depois da festa. Clara adora a noite de sexo, mas para seu azar ela perde o telefone do cara e a chance de revê-lo tão cedo.

Ela, nesse período, acaba reencontrando Léo, um amigo de adolescência que sempre demonstrou ter uma queda por ela. Ele é meio sem sal, mas é uma boa pessoa e acaba atraindo Clara.

Clara não esquece João Thomas e mesmo não indo com a cara de Pedro - que além de trair Laura, também a espancou na lua de mel –, pede-lhe o telefone de João Thomas que é seu amigo. O reencontro acaba sendo bom e os dois embarcam num relacionamento bem explosivo.

João Thomas é tudo que uma mulher deseja: carinho, muito rico e mão aberta, trata Clara como uma rainha, o que ela adora. Porém o homem perfeito também é ciumento e tem uma mãe que deixa claro que Clara não é a mulher perfeita para o filho.

Mesmo estando namorando, Clara acaba se deixando envolver com Léo, que está apaixonadíssimo pela a amiga. Ela fica dívida entre João Thomas e Léo, o amigo gente boa.

Uma das coisas que mais abomino é traição, vejo isso como a demonstração de que a pessoa não gosta realmente do namorado(a), noivo(o), marido(o). Se há algum problema na relação, então é melhor terminar.

No começo da leitura fiquei incomodada com a falta de modéstia da Clara, que é bonita e adora repetir isso para si mesma. Até aí tudo bem, só que o problema maior foi quando ela faz um comentário sobre os funcionários da casa dos pais de João Thomas, e senti que foi meio preconceituoso:

João Thomas falou-me depois sobre o Zé e Maria. Achei altamente clichê que eles tivessem esses nomes. É o típico nome de empregados em casa de ricos. Aí, eles ficam recalcados com isso, e colocam o nome da filha mais velha de Shyrllenne Pollyanna. Deve ter algum antropólogo, sociólogo ou algo do tipo que já tenha estudado isso.

Outra coisa foi que senti muitas vezes que ela estava mais apaixonada pelo Léo do que pelo João Thomas. Muitas atitudes e pensamentos dela me deu a impressão de que ela só estava com o João Thomas porque ele é rico, então – consequentemente -, muito mais interessante para namorar. Várias pessoas podem adorar personagens assim, mas não consegui me identificar com Clara.

Citei traição acima porque foi uma das coisas que mais me fez desgostar da personagem, pois ela traí João Thomas com Léo duas vezes, sendo que em uma delas Clara já estava noiva e faltava menos de uma mês para se casar. Ela mantém esse "pequeno" segredo do noivo que diz amá-la e que a trata como uma rainha.

Outro problema, a meu ver, foi o uso escancarado de termos vulgares. Não gosto do uso exagerado de palavrões. A personagem usa “caralho” e “puta que pariu” como se fossem vírgulas e acabam tornando o texto muito repetitivo e cansativo.

A autora criou uma personagem mais realista que possui algumas qualidades - como ser uma boa filha e amiga - mas que também possui muitos defeitos. Uma pena as falhas (que considero como defeito, no caso a traição) de Clara terem, durante a minha leitura, me feito desgostar na personagem.

Desejo tudo de bom para a Janaína Rico em sua carreira de escritora. Espero que ela publique muitos livros para nós leitores e que eu curta mais as próximas personagens principais.

Mais Informações:



Comentários
13 Comentários

13 comentários:

  1. Oi, Lu!

    Concordo com muitos pontos da tua resenha, mas mesmo assim curti a leitura e dei boas risadas.

    beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Lu,
    Gostei muito da sua sinceridade. Infelizmente não me interessei por esse livro, já não tinha gostado antes, quando li alguns trechos e achei tudo que você falou aqui. Agora, dispenso.
    Também não gostei da capa, achei ela feia kkk =/ Quem sabe num outro livro da autora, né?
    Ótima resenha! Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Adorei o post,parabéns pelo espaço para a divulgação de escritores nacionais.
    O que dizer de Janaína Rico?
    Diva maravilhosa! Além de escritora ela é multi:escritora, atriz, roteirista e produtora de eventos.
    Também adorei os livros: Ser Clara e li o primeiro capítulo de Apimentado disponível no Blog da Janaína,sou seguidora,ela é super alto astral,nacionalista demais,de bem com a vida.
    Também comprei para dar de presente o livro infantil O maravilhoso livro de desenhos da menina que não sabia desenhar,super fofo.

    A capa do livro é bem humorada e criativa,bem no estilo de Clara!
    O livro tem muitas coisas das mulheres atualmente desde o desejo de encontrar o homem dos sonhos,viver uma vida independente,ter um amor ao lado.
    Realmente um dos melhores chick lit que já li,Clara é uma mocinha às avessas:independente,desbocada,se diverte horrores,não tem medo de errar,tem várias dúvidas.
    É um romance incrível e diferente,tem drama, um certo suspense e um triângulo amoroso bem enrolado.
    Durante a leitura me diverti muito,tem umas tiradas muito engraçadas,pensava nossa da onde a Janaína tirou isso e tal que legal,nossa,tem momentos hilários, fiquei feliz com o final.
    Adorei a linguagem contemporânea do livro, é impossível não se identificar com a narrativa.
    Além disso, o livro trata de temas atuais como o homossexualismo e os distúrbios alimentares.
    Recomendadíssimo o livro!!!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, não sei se simpatizei com o livro, por ter uma personagem principal que não se desvaloriza, que é muito difícil de se ver nos livros, ou se não gosto pelo que você falou dela não ter o mínimo de modéstia. Mas acho que deve ser um trama no mínimo divertida e conflituosa.
    Bgs

    ResponderExcluir
  5. A verdade é que eu não me interessei por esse livro, agora com a sua resenha menos ainda, tenho o mesmo pensamento que você sobre traição, e acho chato esses personagens super ricos, até porque na vida real não é assim. Adorei a sua resenha.

    beijos, Lu

    ResponderExcluir
  6. As capas da Editora Underworld são muito lindas né? Assim como os marcadores de página. Esse é um livro que nunca me chamou atenção. Sua resenha me fez querer conhecer mais sobre ele, apesar de achar que também não vou curtir muito a protagonista. Enfim, vou marcar ele no skoob.

    ResponderExcluir
  7. Ei Lu,

    Ah só o tanto que vc reclamou do livro aqui no serviço já me fez desistir de ler rsrsrs. Gostei da resenha, mas não vou encarar não. :P

    bjs

    ResponderExcluir
  8. A resenha é boa, mas o livro não chamou minha atenção.
    Beijos!!!
    http://literaturaeeu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Nossa!! Pela sua resenha acho que nao vou me identificar muito com a protagonista, odeio historias de traicao acho isso tao ridiculo, se voce nao gosta mais da pessoa termina logo com ela e segue em frente pra que ficar traindo, apesar de eu adorar a capa, nao fiquei com vontade de ler o livro!!Otima resenha.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Gostei da tua resenha e estava até interessada em ler o livro, mas agora desanimei HAHAHA

    Beijos,
    Marinah | Blog Marinah Gattuso - @blogmarinah_g - Insta

    ResponderExcluir
  11. Lu, estava louca para ler uma resenha desse livro, mas não esperava me desanimar tanto. Sou exatamente como você, independente das qualidades de uma pessoa, traição é imperdoável, e isso nunca é necessário. É mais ou menos aquela coisa de "eu quero um, mas não posso perder o outro". Acho que iria odiar a personagem. ;~

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Amo livros nacionais e essa capa é linda! A resenha é muito boa! Quero lê-lo. O título me deixou bem intrigada.

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito da sua resenha que está escrita com muita clareza e sinceridade, o que me leva a desejar ler o livro. Embora todos achem a capa linda, eu fico me questionando: o que tem a ver uma mulher sentada no vaso sanitário com a calcinha abaixada e ainda com um pirulito gigante na mão, com o título ou com a história? Já li que alguém achou a capa bem humorada, outra que está linda, mas eu fico assim: ????????????

    ResponderExcluir