='cap-left'/>

Entrevista: Carol Sabar

Mais uma da série de Entrevistas... Desta vez com alguém muito especial: Carol Sabar!  Li os dois livros dela e AMEI! 
Se quiserem conhecer mais de Azar o seu e Como quase namorei Robert Pattison é só clicar AQUI.
 "Bora conferir"?

O que a autora Carol Sabar gosta de ler? Qual livro você tem atualmente na cabeceira? Fale-nos um pouco sobre ele.
Eu gosto de ler todos os tipos de livro. Mas sou viciada em literatura chick-lit. A cabeceira da minha cama vive cheia de livros! São livros que estou lendo no momento (tem época que leio vários ao mesmo tempo) e livros que já li, mas gosto de ter por perto, para reler os trechos mais especiais. Atualmente estou lendo “Inferno”, do Dan Brown.

Como foi sua formação como leitora, como você foi apresentada aos livros?
Sempre gostei de ler, desde pequenininha. Eu amava a biblioteca da escola e sempre tinha um romance na mochila. O primeiro livro sem gravuras que eu li foi “Meu pé de laranja lima”.

Seu encontro com os livros influenciou seu desejo de ser escritora? A resposta preferida da menininha Carol Sabar ao ser questionada sobre sua profissão sempre foi “Quando crescer vou ser uma grande romancista!”?
Não! Nunca pensei em ser escritora. Eu sou engenheira de produção e trabalho na área desde que entrei na faculdade. Na verdade, eu escrevi meu primeiro livro meio que por acaso, depois de ter uma ideia e de me apaixonar por ela.

Como você vê o futuro online? A internet abre portas para autores, ou pode prejudicar, dado grande fluxo de pessoas tentando uma oportunidade?
A internet ajuda muito, tanto a divulgar o livro quanto a manter contato com os leitores. Além disso, o trabalho dos blogs literários é maravilhoso e, com certeza, representa um divisor de águas na literatura de entretenimento brasileira. Em minha opinião, a internet não prejudica, mesmo que o fluxo de pessoas tentando uma oportunidade tenha aumentado nos últimos anos, por conta do acesso fácil à rede. Não existe concorrência na literatura. Os escritores e suas obras são diferentes entre si, são produtos customizados. Existe espaço para todo mundo.

Qual dica você daria aos jovens escritores? Quais as dificuldades que você enfrentou para publicar seus livros? Fale sobre um pouco de sua experiência pessoal.
A dica que eu dou é ler muito e escrever muito. Não existe escritor que não goste de ler. É como querer aprender a tocar violão, mas não gostar do som do instrumento. Não rola de jeito nenhum!
As editoras estão cada dia mais abertas aos autores nacionais. Se você tem um livro bom, bem narrado, bem escrito, com uma história envolvente, cheia de personagens carismáticos, em algum momento você vai acabar conseguindo a publicação.

Dos novos autores nacionais, quais você muito recomenda?
Carina Rissi, Paula Pimenta, Marina Carvalho, Laura Conrado, Patricia Barboza... A lista é enorme!

Você faz muitas pesquisas, “incuba” ideias, ou parte direto para a escrita? Sempre tem em mente qual vai ser o próximo acontecimento ou seus personagens acabam tomando rumos próprios?
Sim, faço muitas pesquisas para compor meus personagens e criar minhas histórias. Costumo traçar um roteiro para os capítulos. Eu sempre sei como cada capítulo vai começar e terminar. Mas é claro que muitas vezes as situações tomam um rumo próprio e eu preciso fazer modificações no planejamento. Eu não me importo de mudar a história, desde que seja para melhor.

Tem alguma rotina para escrever? Ouvir músicas? Algum horário em específico?
Eu gosto de escrever à noite e aos finais de semana, porque não tenho tempo livre durante o dia. Às vezes ouço música, às vezes não. Depende da cena que estou escrevendo no momento.

Como você lida com as críticas?
Eu lido muito bem, graças a Deus. É claro que eu gostaria que o mundo inteiro gostasse dos meus livros! Todo escritor sonha com isso! Sonha com o impossível! As pessoas são diferentes, têm gostos diferentes: a graça da vida é essa. A partir do momento em que o autor decide publicar sua obra, ele tem de estar ciente de que o livro vai cair no mundo. Afinal, publicar é isso: dar visibilidade à obra, mostrar a história a quem se interessar por ela. O leitor passa a ser o dono da história e ele tem todo o direito de odiar ou de amar. Cabe ao escritor aceitar esse fato e receber as críticas de braços abertos. Afinal de contas, é assim que a gente cresce. Errando e aprendendo.

Você é fã de Crepúsculo? Confesso ter adorado o enredo de seu primeiro livro, apesar de nunca ter lido nada dessa saga vampiresca.
Sim, claro! Seria impossível escrever um livro chamado “Como (quase) namorei Robert Pattinson” se eu não fosse fã do “Crepúsculo”. Sou “team Edward”, aliás.

Quando teremos mais livros da Carol? Podemos esperar livros tão divertidos como os dois lançados?
Eu ainda não comecei a escrever meu terceiro livro, mas já sei que será outra comédia romântica. Por enquanto não penso em escrever nada muito diferente desse gênero.

Houve uma brincadeira correndo entre as blogueiras que é bem interessante, pois é inocentemente reveladora, e ao mesmo tempo um bem necessário às relações tão “superficialmente profundas” que a internet nos proporciona. Gostaria que você concordasse em realizar, e dar ao leitor uma oportunidade de conhecê-la mais afundo...
Carol Sabar versus 7 Pecados capitais.

=> Avareza – Meus livros. Gente, sou muito egoísta com minha coleção de livros! Só empresto meus livros para minha mãe, minha melhor amiga, meu namorado e meu irmão. E mesmo assim depende do livro!
=> Soberba – A capa dos meus livros, sem dúvida alguma, são as mais lindas do mundo, são as MELHORES!!!! Ai de quem disser que não!
=> Gula – Pizza. Não resisto.
=> Ira – Perder num jogo. Eu odeio perder! Sou como a Mônica, dos “Friends”.
=> Inveja – do Harry Potter. Eu queria poder fazer umas mágicas de vez em quando.
=> Preguiça – de arrumar meu guarda-roupa. Odeio!
=>
 Luxúria – os livros new-adult. Gente, que moda louca é essa? Eu bem que gosto!

Nem só de pecados vive o homem... Qual considera ser sua maior virtude?
Responsabilidade e determinação.
Comentários
4 Comentários

4 comentários:

  1. Adoro a Carol! Ela virou uma das minhas autoras nacionais favoritas depois que li seu primeiro livro :) Estou ansiosa para ler "Azar o Seu" e acho que vou comprá-lo amanhã haha
    Adorei a entrevista!

    Beijos,
    salaodelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá meninas,

    Adorei a entrevista! A Carol é uma fofa e conquistou meu apreço através dos seus dois livros! Espero que ela escreva muito mais!

    Boas leituras!

    Thaís

    ResponderExcluir
  3. Oooowwww! \o/
    A Carol é um fofaaaa! Sou louca para conhecer essa guria. Mas essa entrevista já foi uma grande ajuda para conhecer um pouco mais dessa autora por quem eu me encantei através das palavras.
    Adorei o post! <3

    Bjs
    Danni

    ResponderExcluir
  4. aaah, a Carol é uma simpatia :) ainda não li nenhum livro dela, mas tive a chance de conhecê-la pessoalmente e ela é um amor :D estou louca pra ler Azar o Seu!!


    beijão!
    http://nossosromancesadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir