='cap-left'/>

Richelle Mead - Tabuleiro dos Deuses

“Tabuleiro dos Deuses” é o primeiro livro da Série A Era de X, da Richelle Mead, lançado esse mês pela Companhia das Letras através do selo Paralela. O livro possui duas coisas que me atrai: capa bonita e a autora. Sou fã da Richelle e tive o imenso prazer de receber a prova desse livro; são 423 páginas que li com muita vontade e em apenas um dia. É uma utopia que vale muito a pena.

Esse novo romance da autora se passa em um ambiente futurístico - pode-se dizer apesar de não ser apresentada uma data - pois há uma gama de tecnologia avançada e um cenário totalmente diferente. Nesse “novo mundo” o território é dividido de quatro formas: 1) RANU (República da América do Norte Unida), que é o local moderno, onde vivem as pessoas aceitas pelo governo devido a sua genética e crença, onde não é permitido o porte de armas e só quem é da “polícia” pode usar. Aqui vivem os Plebeus e os Castais; AO (Aliança Ocidental), país irmão da RANU, formado por partes da China e da Rússia; Arcádia que é formado pelo sudeste e sudoeste dos antigos Estados Unidos, onde a tecnologia é razoável, possui um governo teocrático e vive em tensão com a RANU; e Províncias, ela é a área “rale”, onde não há a organização, armas são usadas por qualquer um e as coisas (ciência, medicina, tecnologia, casas, etc...) são precárias e não são avançadas como RANU e AO.

Após os países ricos terem sido atacados pelo vírus Mefistófeles - que resultou num grupo de defeitos genéticos, denominado Caim, que só desenvolve geralmente em patrícios ou pessoas provenientes das províncias – a RANU criou uma série de leis voltadas para a genética. Essas leis, denominada mandatos genéticos, obrigava a população a reproduzir apenas filhos geneticamente diversos, criados, é claro, a partir de uma combinação genética do governo, para serem resistentes ao vírus. A partir disso surgiram os Plebeus - são a maioria da população - que possuem diferentes etnias (não são pessoas com a genética apenas irlandesa, etc...). Mas apesar dessas leis, um grupo de pessoas, os Patrícios, manteve sua herança genética, com a permissão do governo devido a contribuição financeiras que eles fizeram. Eles criaram suas Castas, um grupo onde só existem pessoas da mesma cultura (irlandesa, escocesa, etc).

Outra coisa importante para saber sobre a RANU é que nela não existem deuses. Existe a Igreja da Humanidade, a única religião aceita pelo país. Possuem padres e templos, onde os cidadãos são instigados a irem, mas são pregados apenas filosofia da RANU e nada relacionado a seres divinos. Existem algumas seitas que recebem até a permissão para existirem, porém se respeitarem diversas regras. As seitas clandestinas são procuradas e proibidas.

É nesse cenário que Justin March, investigador de grupos religiosos, viveu grande parte de sua vida, até que foi exilado há quatro anos e ido parar em Panamá, nas Províncias. Ninguém, além dele e seus superiores, sabe por que Justin foi expulso na RANU - apenas todos têm certeza que foi algo extremamente grave - e muito menos porque ele foi parar no Panamá.

Justin é um cara inteligente, observador e charmoso que consegue fazer as pessoas o amar e fazer suas vontades. Porém, nem seus talentos conseguiram mantê-lo na sua terra natal, e a coisa que mais quer na vida é voltar a civilização onde tudo é superior as Províncias, mas ele sabe que isso é praticamente impossível. Sua sorte, no entanto, está prestes a mudar, porque que Justin é procurado em Panamá por ninguém menos que sua ex-chefe e outro homem com cargo ainda mais superior. Eles foram até as Províncias para levarem Justin de volta a RANU, porém não por que vão com a cara dele e sim porque assassinatos estranhos estão acontecendo e parece ter a ver com uma seita religiosa. Contudo, não é só isso; um vídeo de um dos assassinatos mostra uma figura estranha matando uma mulher e ninguém sabe dizer o que é aquilo, apenas que a filmagem não é montagem.

Claro que Justin aceita a incumbência, sem antes fazer algumas exigências, é claro, como levar Tessa – filha de dezesseis anos de um dos amigos dele que vive em Panamá – com ele, além de que a sua irmã e sobrinho (que vivem na RANU), tenha uma luxuosa casa e tudo do melhor a sua disposição. Mas pesar de precisarem de Justin as coisas não serão fáceis para ele, pois seu visto para voltar a RANU é apenas provisório e será cancelado se ele não resolver o caso em até um mês.

Mae Koskinen entra nessa jogada como guarda-costas de Justin, um serviço que ela não gostaria, mas que foi encarregada como uma punição devido a uma briga em que ela se meteu. Mae é linda, sexy e fatal; ela é pretoriana, uma supersoldada da RANU que possui força e velocidade (devido a um implante no braço que a torna melhor na batalha) superior a de um soldado normal. Pretorianos são divididos em coortes e Mae fazia partes das divisões de missões mais perigosas.

Quando Justin e Mae se conheceram surgiu uma química e interesse entre os dois, porém ele mentiu seu nome e ela não contou que era uma pretoriana. Logo após descobrirem quem era quem, as coisas se tornaram frias e Justin perdeu a oportunidade de ter aquele linda mulher em sua cama novamente.

De volta a RANU, Justin começa a investigação - sempre com sua segurança do lado - os assassinatos que sempre ocorrem em lua cheia e com o uso de uma faca de prata. O que era para ser um caso relacionado a seitas clandestinas, acaba se revelando algo muito pior de ser solucionado e entendido. E se os crimes tiverem menos a ver com fanáticos e sim com forças sobrenaturais? E se deuses realmente existirem, mesmo que os países ricos terem exterminado há tempos com as crenças neles tornando-as algo clandestino?

Justin e Mae terão que correr contra o tempo para impedir que o próximo assassinato ocorra. No caminho contarão com ajudas, como as vozes de Horátio e Magnus que vivem na cabeça de Justin, fanáticos religiosos que dizem terem contato com deuses e amigos importantes.

Em meio a essa busca, eles vão descobrir muito mais sobre si mesmos, pois eles não são simples pessoas e sim peças importantes de um tabuleiro jogado por seres superiores que farão de tudo para ter Mae e Justin aos seus lados.

A primeira coisa que precisam saber sobre “Tabuleiro dos Deuses” é que um livro ótimo, porém é preciso lê-lo consultando toda hora o glossário que vem nele. São muitas a informações que livro possui, coisas criadas pela Richelle que se você não tiver o glossário para consultar, ficará perdidinho.

Na história encontramos visões dos fatos vistos tanto pelo Justin, Mae e Tessa, o que torna tudo mais interessante. Esses três são ótimos e possuem muito a acrescentar ao enredo. Justin e Tessa são bem inteligentes e observadores; Mae é alguém extremamente mortífera.

O livro possui 423 páginas de muita ação e mistério. Fiquei um tempo tentando saber se Justin era alguém meio doido por ouvir vozes ou se elas realmente existiam. Há todo um suspense pelo motivo dele ter sido exilado da RANU e quando descobri achei algo tolo, mas que para o país é algo extremamente inaceitável e perigoso.

Justin é tudo de bom, muito charmoso e extremamente inteligente, porém também é um cara cheio de defeitos e vícios, o que o torna bem humano. Ele é uma peça bastante importante na história e possui proteções das grandes. Quero muito ver como Justin desenvolverá suas qualidades bem diferentes no decorrer dos outros livros, e como irá lhe dar com os sentimentos que tem por Mae, pois se ele se render a eles terá consequências.

Mae segue a mesma linha das outras personagens da Richelle. Ela é uma pessoa linda, que tem todos os homens aos seus pés, possui ótimos amigos que sempre farão tudo por ela, e é alguém forte e sempre pronta para uma briga. Acho ótimas essas qualidades, mas sempre irei compará-la a Rose, a Eugenie, etc..

O mais legal do livro é que a Richelle criou uma atmosfera de puro suspense. Muitas vezes fiquei na dúvida se a história possuía algo sobrenatural ou se era apenas um suspense. Fiquei naquela de imaginar se o assassino era um humano ou algo do outro mundo. Outra coisa bacana é que todas as peças vão se encaixando e percebemos que nada foi por acaso.

Minha resenha ficou enorme, mas é porque quis explicar mais do enredo para vocês e não apenas se centrar no Justin e Mae. Espero que tenha gostado.

Amei o livro e super recomendo, ele se tornou o meu favorito da Richelle. Adorei as outras histórias e universos criados pela a autora, mas “Tabuleiro dos Deuses” conseguiu, na minha opinião, ser ainda melhor.

Série A Era de X
1 - Tabuleiro dos Deuses
2 - The Immortal Crown (lançamento nos E.U.A em 29 de maio de 2014)

click to zoomMais informações em:
Site Paralela
Comentários
17 Comentários

17 comentários:

  1. Gostei da capa e confesso que depois de ler sua resenha fiquei com vontade de conferir o livro também. Fico aqui imaginando o quanto ele é bom, já que você conseguiu ler ele em apenas um dia.
    Porém, o que me desanima é saber que faz parte de uma série porque esse ano estou fundindo delas, literalmente.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Que bom que vc gostou, eu estava com um medinho dessa serie, achava essa coisa de tabuleiro dos Deuses meio maluca, achava uma outra coisa, tipo a menina que participava de uma ceita doida sei la...
    Diferente de vc eu não curti a capa, não sei pq todos os livros dela tem que ter um carão.
    Ela pela sua descrição me lembrou demais a Rose tb, mas sso não tem problema nenhum, a Rose era maravilhosa adorava a personalidade dela, para mim as protagonistas tem que ser assim mesmo.
    Esse casal tb perece que tem muita química e vou me dar muito bem com eles!! Quero muito poder ler esse livro logo.
    Bjus.
    =]

    ResponderExcluir
  3. O título já me chamou a atenção. fiquei super curiosa para ler a resenha e gostei muito. quero ler o livro e já anotei na lista para leitura desse ano. Sua resenha está maravilhosa, parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Quando vi esse livro nem tive curiosidade de ler a sinopse mas agora vou ter que ler o livro.

    ResponderExcluir
  5. Olá! Este livro parece ser muito bom, adoro a capa e gostei do enrendo, é bem diferente e interessante, por ser eu uma época avançada e diferente! Deve ser mesmo uma ótima leitura, me atraiu muito o fato de ter mistério e ação ao longo das páginas, fiquei bem curiosa para conhecer melhor e espero ler também! :)
    beijos ♥

    ResponderExcluir
  6. Menina que resenha em, amei, bem grandinha mesmo! Como você disse é da Richelle e quem não quer ler mais um livro dela? Amei a capa e sua resenha me deixou fascinada, confesso que fiquei meio perdida em alguns pontos, mas sempre fico assim com distopias, tenho que reler algumas partes pra assimilar bem, com certeza precisarei muito consultar o glosário, rsrsrs. Amei a resenha, e o livro vai entrar na minha lista de livros da Richelle que pretendo ler.

    ResponderExcluir
  7. O livro deve ser gigaante, mas vale a pena! :)

    ResponderExcluir
  8. Curti a resenha, já vi outras resenha desse livro e parece ser uma boa leitura, me interessei e que bom que você gostou da leitura.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. caramba que resenha grande. deve ser mto bom mesmo!
    seguidora: silvia cristina

    ResponderExcluir
  10. Eu também sou mega fã da Richelle, estou terminando a série Georgia Kincaid e Vampire Academy. A primeira resenha que li sobre este livro foi extremamente negativa e isto me espantou muito, afinal de contas, a Richelle para mim é uma das melhores autoras que existe, mas agora pela sua resenha vejo que o que faltou na outra blogueira foi realmente ser fã da nossa diva auhsauhsauhsuahs ou ter um gosto parecido com o seu e o meu. Depois de ter lido a resenha negativa eu fiquei realmente com o pé atrás quanto a ler este livro, mas agora que vi sua resenha com toda certeza vou com todo gosto atrás dele.

    ResponderExcluir
  11. Parece ser bem legal.. Fiquei na vontade de ler :D

    ResponderExcluir
  12. Bem legal a resenha.. O deve ser muito bom! Fiquei na vontade de ler. :D

    ResponderExcluir
  13. Finalmente um livro da Richelle com uma capa bonita! haha
    Amo demais a série Academia de Vampiros e a escrita de Mead é tuuudo de bom, por isso tenho uma vontade enorme de ler esse livro. Mesmo você explicando bem na resenha, algumas coisas ainda ficaram meio confusas, mas, como vc mesmo disse, é um livro bem complexo e só lendo ele para entender tudinho. Ah, e se a Mae for só um pouquinho de como a Rose é, então já vou amar a personagem!

    ResponderExcluir
  14. Essa é a primeira resenha que leio desse livro e posso dizer que ele me parece ser muito interessante. Já li o primeiro livro da série Academia de vampiros e amei demais, a autora é muito boa então pretendo ler esse com certeza.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Essa é a primeira resenha que leio desse livro e posso dizer que ele me parece ser bastante interessante. Já li o primeiro livro da série Academia de vampiros e amei demais, a autora é muito boa e pretendo ler esse livro com certeza.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Resenha muito boa, abordando o conteúdo de forma simples e inteligente, facilitando o entendimento e despertando o interesse dos leitores, vale a pena conferir.

    ResponderExcluir
  17. Eu simplesmente adoro a Richelle Mead, não tenho 1 livro dela que tenha lido que me decepcionou, os personagens são envolventes, ela escreve maravilhosamente bem, adorei a resenha e com certeza esse ta na minha lista de desejados.

    ResponderExcluir