='cap-left'/>

Jane Costello - Corra, Abby, Corra!

Sinopse: Na corrida pelo amor, Abby tem que ir com tudo Abby nunca foi de se preocupar com hábitos saudáveis. Aos 28 anos, ela acaba de fundar a própria empresa de web design, e sua rotina parece consumir todo o seu tempo. Ela não tem a menor ideia de quando foi a última vez que deu um beijo apaixonado. E o pior: mal tem tempo para comer, malhar então... nem pensar. Mas quando sua melhor amiga a convida para participar de um clube de corrida, a jovem empresária encontra uma motivação: Oliver, charmoso e bem-sucedido médico que parece estar interessado em suas investidas. Seu primeiro dia de corrida, entretanto, não acaba como imaginou e ela jura que nunca mais vai correr. Até o dia em que sua assistente Heidi revela ser portadora de esclerose múltipla. A partir daí, Abby vê nas corridas uma forma de arrecadar fundos para a pesquisa da cura para a esclerose. Só que ela precisa de muito fôlego para gerenciar a empresa, lidar com sua operadora de seguro para arcar com o prejuízo de um motoqueiro que ela atropelou por acidente, e ainda conquistar o Dr. Sexy. Mas o que Abby não imagina é que pode estar correndo atrás do homem errado...

Nome Original: Girl on the Run
Ano de publicação: 2015
Editora: Record
Número de Páginas: 420
Nota: 4/5

"Corra, Abby, corra!" é um divertido chick-lit da autora Jane Costello, lançado no Brasil pela Editora Record. Esse é o segundo livro que leio da autora e fico feliz em dizer que novamente não fiquei decepcionada. Jane vem se tornando uma das minhas autoras favoritas de chick-lit, pois, apesar dos dramas comuns encontrados nos seus livros e demais do gênero, cria personagens menos idiotas. Suas mocinhas são meio dramáticas sim, mas não temos aqui mulheres de baixas auto estima que sempre são feitas de idiotas por todos. Isso é, aliás, algo que detesto nos chick-lit, pois as mulheres sempre são passadas para trás pelos "colegas" de trabalho, namoraram canalhas e se consideram inferiores as outras mulheres.

Abby é uma mulher de 28 anos, tem sua própria empresa de web design, a River Web Design, e é feliz consigo mesmo, apesar de saber que precisa perder aqueles quilinhos a mais. Já faz um bom tempo que ela não embarca em um romance e mais tempo ainda que não faz um exercício físico. Graças a sua amiga Jess, Abby entra para um grupo de corrida e é lá que conhece um delicioso Doutor Sexy, ou melhor, Oliver. Claro que nem esse homem lindo faz com que ela continue a praticar alguma atividade física, por isso ela decide sair - mesmo nem tendo começado direito.

A visão de Abby sobre uma vida saudável começa a mudar quando ela descobre que uma de suas jovens funcionárias, Heidi, tem esclerose múltipla, uma doença que não tem cura, infelizmente. Depois de levar um puxão de orelha sobre a sorte de ter uma vida boa, Abby decide finalmente se dedicar a saúde, além disso, ver na corrida uma forma de ajudar Heidi, e as demais pessoas que sofrem da doença, buscando arrecadar dinheiro para investir em pesquisas que procuram a cura.

Enquanto lida com os desafios de se ter uma vida saudável - como não comer besteiras e fazer o sacrifício de correr - Abby também que lidar com os problemas da sua empresa que precisa de muitos bons clientes para sobreviver; com questões familiares já que seus pais divorciados ainda parecem se gostar; e ajudar sua amiga Jess a enfrentar as dúvidas sobre a vida de casada. Além disso, ela tem que lidar com os sentimentos que tem surgido por Tom, um sexy arquiteto a quem ela atropelou e que também faz parte do grupo de corrida. Tom é mais do que prefeito, mas é comprometido com uma linda mulher que é muito simpática para Abby odiar.
A vida de Abby não é fácil e muitos desafios ainda surgirão para balançar o mundo dessa criativa e determinada mulher.

"Corra, Abby, corra!" é daqueles livros divertidos que garantem bons momentos de leitura. Confesso que chick-lit não é meu tipo de leitura habitual, pois acho sempre as mocinhas bem idiotas para meu gosto. Não entendo como mulheres podem criar personagens femininas tão bobas e sem auto estima. Porém as mocinhas da Jane Costello - assim como as da Sophie Kinsella - são mais determinadas, o que as tornam bem melhores. 

Esse livro é bem interessante porque não trata só de questões banais do cotidiano. Ele foca também em assuntos que são de muita importância e que, infelizmente, não ganha muito destaque, como é o caso da esclerose múltipla que, pelo menos para mim, não é muito abordada nos meios de comunicação.

Abby é uma personagem legal e com a qual me identifico em algumas questões: ambas temos carreira no meio publicitário e odiamos exercício físico (mas finalmente encontrei um que suporto). Gostei da personalidade dela e do seu jeito não dramático de ser que não é tão comum nesse gênero literário. 

Os personagens secundários também são bem interessantes, principalmente o Tom que é MARAVILHOSO. Achei ele super sexy e perfeito. Outra coisa bacana do livro é que a namorada dele não é uma bruxa a qual vamos odiar; na verdade ela é muito legal e divertida.

Esse é um chick-lit que recomendo assim como o outro livro da autora lançado no Brasil, o "Quase Casados". Super recomendo!

Observação: por que as personagens de chick-lit sempre têm carreira do mundo publicitário?



Mais informações:
  



Site da autora: http://www.janecostello.com/

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário