='cap-left'/>

Meg Cabot - Ela Foi Até o Fim

Ela Foi Até o Fim
Sinopse: Lou Calabrese é uma roteirista de sucesso - já escreveu vários roteiros de ação que renderam milhares de dólares de bilheteria e até ganhou um Oscar! O problema é que seu namorado, o grande astro do filme, resolveu deixa-la pela estrela principal, e agora lhe resta provar que conseguirá passar por tudo para esquecê-lo. O que ela não esperava é que esse "tudo" significasse atentados contra a sua vida e sobreviver numa montanha congelada com o homem que mais odeia na face da Terra como único companheiro... Será que ela vai sobreviver a está aventura? E será que, no final, encontrará o verdadeiro amor?

Nome original: She Went All the Way
Ano de publicação: 2010
Editora: Galera Record
Número de Páginas: 399
Nota: 4/5

“Ela Foi Até o Fim” é mais um dos livros adultos da Meg Cabot. Ele foi publicado no Brasil pela Galera Record em 2010 e, mesmo tendo ele desde da época de lançamento, só agora fui ler essa comédia romântica. Uma coisa que não entendo é porque o livro foi publicado pelo selo Galera Record, já que é um romance com cenas bem picantes, então acredito que deveria ter sido lançado pela Bertrand.

Lou Calabrese é uma mulher de 28 anos com bastante talento, este que a levou a ser um das roteiristas mais brilhantes de Hollywood e a ganhar um Oscar. Porém, como nada é perfeito, a vida de Lou está uma grande m****. Depois de vivenciar um relacionamento de dez anos - que foi seu único -, Lou recebeu um pé na bunda. Na verdade, ela meio que já tinha terminado o relacionamento com Bruno di Blase B (na verdade o nome dele é Barry), pois ele não queria casar. O cretino sempre dizia não encontrar-se pronto para um relacionamento mais permanente, mas nem bem conheceu a atriz Greta e os dois fugiram para se casar.

O pior de tudo é que Barry só conheceu Greta Woolston graças a Lou. A roteirista escreveu o maravilhoso Hindenburg para ajudar a alavancar a péssima carreira de ator de Barry. A obra rendeu a ela um Oscar e fama ao namorado, porém foi recompensada por ele da forma mais cruel possível, pois a trocou pelo seu par romântico do filme. Agora Lou tem que lidar com a dor de cotovelo enquanto o mundo todo só fala no casamento do ano.
Para pior a situação, Lou parte para o Alasca com o intuito de resolver um problema ligado ao seu novo filme de ação, Copkiller IV. Tim Lord, o diretor do filme, quer explodir uma montanha no longa-metragem, mas ambientalistas tem causado problemas e Lou decide tentar impedir Tim de cometer essa atrocidade. O que ela não esperava da viagem é ter que dividir um voo com o belíssimo ator Jack Towsend, que ela odeia.

Jack é o sonho de toda mulher e já “pegou” praticamente todas de Hollywood, inclusive Vick Lord, a melhor amiga de Lou. Por ter deixado o coração da sua melhor amiga em frangalhos há anos é que Lou odeia Jack. Claro que ela sabe o quanto ele é gato, talentoso e másculo, afinal ela é mulher e não é cega. Porém, Jack não é a melhor companhia em sua opinião. Na verdade, há outro motivo pela o odiar e tudo se deve ao fato de que ele mudou uma frase do roteiro dela. Quando estrelou como personagem principal do primeiro filme da série Copkiller, Jack deveria ter falado certa frase em uma das cenas, contudo acabou dizendo “preciso de uma arma maior". Claro que a frase dele virou o slogan do filme.

Lou e Jack partem para o Alasca juntos. Mas antes de chegarem ao seu destino, acabam caindo em uma região deserta devido à tentativa do piloto de matar Jack e de quebra Lou, que era testemunha. Agora perdidos em meio à neve, eles precisam sobreviver ao frio e aos outros assassinos que querem os matar. Em meio à fuga, Jack vai percebendo qualidades em Lou que não encontrou em nenhuma mulher. Já ela percebe que Jack é muito mais do que um rosto bonito e uma bunda sexy.

Alasca acaba se tornando um cenário para um romance de tirar o fôlego e tudo que os dois precisam é sobreviver para, quem sabe, viver um relacionamento digno de cinema.

“Ela Foi Até o Fim” é um romance bem divertido e sexy. Gostei bastante da história criada por Meg, mas tenho que confessar que achei certas coisas sem noção. Porém nada que torne o romance ruim. Para mim foi um dos seus melhores livros adultos contemporâneos. O legal do livro é que a narrativa vai se alterando entre os pensamentos dos personagens, então sabemos os pontos de vista de Jack e Lou. Também temos muito dos pensamentos dos pais deles e de Vick, amiga de Lou.

Jack é o sonho de qualquer mulher e também adoraria ficar perdida com ele em qualquer lugar. Lou foi uma personagem bem divertida e daquelas que gosto, pois não é frágil e nem submissa. Gostei do entrosamento dos dois e da forma como o romance foi surgindo. Não teve nada daquilo de “amor à primeira vista”, mas sim um amor que surge da conivência e do conhecimento de um sobre o outro.

Também amei os personagens secundários, principalmente o pai de Lou e a mãe de Jack. Os pais deles são uma comédia, além disso, garantem cenas bem fofas. Não poderia deixar de citar o Alessandro, o yorkshire terrier da mamãe Towsend, pois ele é uma fofura e fiquei querendo ele para mim.

O livro é daqueles que garantem uma ótima leitura, então super recomendo!

Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Quero muito ler esse livro, parece bem interessante, e é Meg né...

    www.paginadaleitura.blogspot.com
    Livros, filmes, séries, games e tutoriais!

    ResponderExcluir
  2. Este foi o primeiro (e único) livro contemporâneo da Meg que eu li e gostei bastante. É bem divertido mesmo. Eu também achei meio nada a ver ter sido a Galera a publicá-lo. tem mais cara de Bertrand, ou mesmo da Record.

    bjs!


    Thaís


    Uma Conversa Sobre Livros

    ResponderExcluir