='cap-left'/>

Julie Garwood - Esplendor da Honra



Se você se chamar Madelyn, e viver na era Medieval, preste atenção:


  • Caso seu crápula meio irmão resolva agir desonradamente, nunca (nunca mesmo!) tenha atitudes heroicas e tente salvar um guerreiro da morte certa, por que verdadeiros guerreiros sempre blefam!
  • Se você foi contra a regra acima e agora está cativa de um formidável guerreiro (*abanem-me freneticamente), sem saber o motivo, aproveite-se dele! Ééééeeeeeeeee, beije-o mesmooooooooooooooo! (boa menina); Nunca duvide de sua honra e se ele lhe disser que pode dormir ao lado dele que sua virtude estará a salvo, acredite, por mais que isso possa lhe custar!
  • Não fique pensando nos motivos que ele pode ter para declarar que você lhe pertence... apenas siga aos desígnios de Deus e seja feliz (Aproveite que está delirante de febre, beije-o mesmooooooooooooooooo)! ^_^
  • O Barão Duncan é o poderoso suserano de Wexton, e sua palavra é lei, nunca ouse contradizê-lo: nem á sós, nem na frente de seus soldados ou familiares! Não precisa dar tão na cara assim que não tem medo dele, quando todos o temem!
  • O cavalo de Duncan é uma arma de guerra letal, e se chama “Cavalo”. Sendo assim, nunca ouse mimá-lo, ou dar-lhe um nome evocado da mitologia. Não transforme o “cavalo” de guerra no cordeirinho “ Sileno”!


Esplendor da Honra

(Honor's Spendours)
Julie Garwood

Esplendor da Honra é um típico romance de banca, mas em formato de livraria. Tem todos os ingredientes que nossos CHs e CHEs , logicamente bemmmmm mais complexamente elaborado.
Há tempos eu sentia grande vontade de ler esse livro, mas apenas recentemente consegui adquirir meu exemplar. (Viram como nossa capa é muito mais linda que a original?) *__* Quando iniciei a leitura, não consegui mais parar! Eu amei demais os personagens, mesmo um tanto clichês, são muito bem caracterizados:

=> Mocinha órfã de mãe, desprezada pela família do pai, criada por um tio sacerdote , em meio á outros padres. Ela é letrada, e por intermédio do tio é versada na Odisséia ( leia mitologia de Ulisses, como é conhecido por latinos, AQUI), e nesse ponto devo elogiar a pesquisa da autora, pois a paixão de Madelyn pela mitologia é razão para inúmeras metáforas na trama, e grande responsável pela nossa mocinha conseguir decifrar seus reais sentimentos por seu captor. Madelyn é tão ingênua e crédula quanto qualquer anjo teria o direito de ser, e nunca mente (exceto no quesito aceitar que seu cabelo é mais ruivo que castanho), e esse sua virtuosa sinceridade inquebrável é motivo de vários trechos engraçados ao longo da trama.
=> Mocinho guerreiro, poderoso nobre, e também nobre e honrado de coração. Ele é um tanto irrascível sob certos assuntos, mas seu personagem representa uma fera. Inclusive tem a “alcunha” de Lobo (*Ai, ai, esses Lobos!) – que é domesticado pela suavidade de Madelyn.


Vítima de uma infância infeliz, depois de perde a mãe em tão tenra idade, a desastrada Madelyn passou a ser rejeitada pelos familiares, nunca obtivera a provação ou o carinho de seu pai e meios irmãos. É mandada para viver com o tio sacerdote, e assim é criada: temente a Deus e cumpridora de todos os mandamentos, educada por velhos padres. Claro que instrução feminina na idade media não era vista com bons olhos, e esse era um fato que devia ser escondido, escondido, entenda-se bem, pois Madelyn NUNCA mentia. Lady Madelyn é um anjo encantado, por assim dizer. E cativa ao poderoso lorde logo ao primeiro olhar, quando honrado Duncan a define como “esplêndida”, justificando o título.

O que eu gostei nesse livro foi que, ao contrário de muitos históricos que lemos, o embrutecido guerreiro é plenamente gentil e protetor com Madelyn desde o início. O plano de vingança de Duncan muda completamente, pois ele nunca poderia devolver na mesma moeda o suplício que o irmão de Madelyn impingiu á sua irmã, ao estuprá-la. Ainda assim Duncan leva Madelyn consigo, fazendo-a sua cativa. Nem preciso dizer quem acaba cativo de quem, vocês vão ter que ler para saber como isso se deu...


Madelyn logo conquista todos na fortaleza do Barão, desde os soldados e criadagem, passando por todos os também embrutecidos familiares de Duncan, até chegar aos animais...

Por ser o primeiro livro de Julie Garwood que leio, não tenho bases para comparações, mas só posso dizer que o livro tem minhas melhores impressões. A trama é bem elaborada, e num ritmo muito gostoso de acompanhar. Os problemas (do casal principal e outras personagens) são solucionados ao longo do livro, com exceção do central, o que não deixa o “Happy End” muito sobrecarregado. Essas conclusões em meio á trama nos permitem acompanhar muito na mudança do relacionamento e forma de pensar do casal principal, nos dando grande mostra da evolução do relacionamento e a construção do verdadeiro sentimento de amor.

Por mais que eu tenha procurado, não encontrei menções sobre “Esplendor da honra” fazer parte de alguma série. Isso é uma pena, pois as personagens secundárias mencionadas, como os irmãos e a irmã de Duncan (Edmond, Gilard e Adela) o “prometido da irmã (Gerald), e o soldado leal de Duncan (Anthony), são fortes e certamente teriam bons enredos. Talvez essa fosse a intenção de Julie Garwood, mas como vocês podem ver em seu site, clicando
AQUI, não há qualquer indício.

Só para encerrar, em conversas com amigas soube que algumas delas estagnaram na leitura desse livro, e tardaram a terminar a leitura... Como exemplo, leiam a resenha da amiga Sol AQUI. Creio saber o motivo desse desânimo: “Esplendor da Honra” é um livro para ser saboreado seguidamente, porque e a leitura tende a ficar difícil se a pessoa que esta lendo realizar pausas frequentes. Os trechos, principalmente as 150/200 primeiras páginas, relatam todos os momentos seguidos de certo período...
Enfim, para mim foi emocionante, ainda que relativamente previsível. É um típico romance de banca, mas eu gostei ainda mais por isso... Recomendo sem hesitação, nota10!

Sinopse da orelha:

Inglaterra, 1099

Na corte inglesa medieval, a amável lady Madelyne sofre com os cruéis caprichos de seu perverso irmão, o barão Louddon. Depois, para se vingar de um crime revoltante, o barão Duncan de Wexton, o Lobo, ataca as terras de Louddon com seus guerreiros. A formosa Madelyne foi o prêmio que ele capturou... porém, ao contemplar a orgulhosa e bela dama, ele jura arriscar sua vida para protegê-la. Apesar de seu tosco castelo, Duncan demostra ser um gentil cavalheiro. Mas quando, afinal, a nobre paixão domina a ambos, Madelyne se entrega com toda a alma.
Agora, por amor, Madelyne enfrentará qualquer coisa... tão corajosamente quanto seu senhor, o poderoso e combativo Lobo.

Comentários
21 Comentários

21 comentários:

  1. Taí, pensei que eu era a única que tinha visto falhas no livro. Ele é previsível e como só tem resenha nota 10 dele, coloquei minhas perspectivas nas alturas. É sério! rsrs! Mas foi passar o tempo com ele.

    Bjjs.

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Quanto tempo que eu não passava por aqui!
    Que legal! Li muitas resenhas sobre esse livro... Deve ser muito bom! Quero muito ler!
    Resenha linda...
    Bjus,
    Náh

    ResponderExcluir
  3. kkkkk! Achei o máximo esse post! Completíssimo!! *_*

    ResponderExcluir
  4. Oi querida!!
    Amei o começo de sua resenha:) Ficou show! Todo mundo ama esta autora e eu ainda não consegui ler NADA dela!!!
    Bjks
    Alê

    ResponderExcluir
  5. Adoro os livros da Julie, sempre são bons.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Nem fala!
    Os livros dela sempre estão entre os melhores, mas desejados, mas perfeitos... mais tudo!!!!! kkkkkkkk.
    Com certeza mais um que tem se ser ''caçado'' e posto a chaves na estante!
    kkkk.

    ResponderExcluir
  7. Capa linda!
    Preciso de mais tempo para ler.
    Ainda mais se forem como estes que precisam ser lido sem muitas paradas. rsrs

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Ok, Sa.
    Vou salvar o guerreiro, ficar cativa dele, aproveitar-me muito e fazer do cavalo dele meu bichinho de estimação, porque pelo jeito isso RENDE!
    Caraca, o homi é gentil ainda?
    Que nada Sa, cato ele num domingo e é nóis. Passo o dia todo com o Barão :D
    bjos

    ResponderExcluir
  9. hahahaha.
    Adorei.
    Aff, quero ler, mas estou economizando. Acho que deveria ganhar de presente. =)
    Quer me dar? huHAUAHUAUAH

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oi Sabrina, lá vou eu com a minha sensibilidade...kkk, eu fiquei p..da vida, pois a autora enrola demais, é um livro de livraria com cara de CHs e Best, daria para a autora ter escrito esse livro economizando umas 200 paginas, e acho que esse livro deveria ter sido publicado pela Nova Cultural, por dois motivos, custaria no máximo R$11.50 e ela teria cortado umas paginas e assim quem sabe o livro teria mais emoção e menos enrolação...kkk

    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Adorei a resenha... muito importante as dicas...rss
    Fiquei morrendo de vontade de ler...

    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir
  12. Ei Sa,

    até hoje não li nada da autora mas achei muito bonito o enredo, acho que eu ia gostar. Adorei a introdução antes do post rsrsrs

    bjoo

    ResponderExcluir
  13. Esse ta na minha lista do desafio, ansiosa para ler!
    Já li varias resenhas sobre ele, e cada vez aumenta a vontade de ler, que passe logo os meses, kkkk
    To fiel ao desafio literario, kkkkkk
    Amei a resenha!
    beijão meninas!

    ResponderExcluir
  14. Oie...
    Eu acabei de ler a resenha da Sô e falei que a sinopse do livro é muito boa, que talvez ela engane. Mas não sei, acho que ela ficou decepcionada pelo preço que pagou. Rsrs
    Afinal não é todo dia que se paga uma fortuna por um livro chato né?
    Mas depois da sua resenha positiva, fiquei na dúvida, hehe!
    Então, beijão

    ResponderExcluir
  15. Oi Sabrina!
    Eu li a resenha da Sol. É ótimo ler opiniões divergentes, eu quase comprei esse livro semana passada, mas resolvi esperar um pouco. Fiquei curiosa.
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Eu QUERO esse livro... e tenho dito!
    Vou ter que chantagear alguém para ganhá-lo de presente, afinal, minhas economias esse mês já estão mais do que extrapoladas...

    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Wow, parece ser boooom! Gostei! :)

    ResponderExcluir
  18. Nossa, resenha muito linda!
    Vou procurar pra comprar!
    Um livro histórico, com um dos meus temas preferidos
    (mocinha cativa do mocinho..rsrs) não posso perder

    ResponderExcluir
  19. Eu partilho um pouco da opinião da Solange. Algo que prejudicou muito a minha leitura foi o mau português. Quem traduziu optou pelo tratamento por "tu" mas é uma vergonha não saber conjugar os verbos em concordância. O livro tem tantos erros de conjugação verbal que me deu vontade de chorar. Parecia que eu estava lendo uma tradução de fãs (e olha que já li melhores!). Dei 4 estrelas no skoob acreditando que no original o livro será muito melhor e porque gostei do mocinho, mas para primeira leitura da Julie Garwood achei decepcionante.

    ResponderExcluir
  20. Ah, só para completar, e para que não restem dúvidas, eu li o livro em papel mesmo!

    ResponderExcluir