='cap-left'/>

Margaret Stohl e Kami Garcia - Dezesseis Luas



Ethan é um garoto normal de uma pequena cidade do sul dos Estados Unidos e totalmente atormentado por sonhos, ou melhor, pesadelos com uma garota que ele nunca conheceu. Até que ela aparece...  Lena Duchannes é uma adolescente que luta para esconder seus poderes e uma maldição que assombra sua família há gerações. Mais que um romance entre eles, há um segredo decisivo que pode vir à tona.

Titulo original: Beautiful Creatures
Autoras: Margaret Stohl e Kami Garcia
Série: Beautiful Creatures #1
Páginas: 485
Capítulos: Em média 35 [os capítulos são por datas; de 2 de setembro a 12 de fevereiro]
Editora: Galera Record
Tradutora: Regiane Winarski
Ano: 2011
Nota: 7/10

"Em Gatlin, não havia surpresas. Pelo menos, era isso que eu achava... Só que eu não poderia estar mais errado. Havia uma maldição. Havia uma garota. E, no fim, havia um túmulo. Mas vamos por partes." - Orelha esquerda
 485 páginas.

Fazia muito tempo que não lia uma livro tão grande. E fazia mais tempo ainda que não me divertia tanto.

O livro tem uma narrativa muito boa, que flui naturalmente, os capítulos não são grandes, nem pequenos, porém..., não me leve a mal, eu gostei do livro, mas algo nele simplesmente não me cativou.

Talvez essa resenha fique um pouco grande, mas é que eu ao mesmo tempo gostei e não gostei desse livro, e ele tem muitos pontos a serem explorados.

Não sei exatamente o que foi. A mitologia criada por Margaret e Kami é incrível (da qual não vou falar muito, dos Conjuradores e tudo o mais, porque é muito mais legal descobrir isso ao decorrer da leitura), mas os personagens não são muito bons. Temos Ethan, que, na boa, parece que se apaixonou por Lena do nada. Tipo, de repente, ela é a nova garota esquisita da escola e puf! Ethan ama Lena. Mesmo assim ele é um bom personagem,  apesar de muitas vezes fazer umas coisas que eu considero burrice. O modo como ele conta a historia é maravilhoso, pontos para o livro pela narrativa deliciosa.

Já a própria Lena fica se lamentando boa parte do livro, e creio que não pelos motivos certos. Tudo bem que ela é uma adolescente, mas por favor!, ela tem problemas muito maiores do que aqueles por que ela chora.

                        " - Você viajou por vários lugares, viu coisas. Eu daria tudo para fazer isso.
            - É, sempre sozinha. Você tem um melhor amigo. Eu tenho um cachorro.
            - Mas você não tem medo de ninguém. Age como quer e diz o que quer. Todo mundo aqui tem medo de ser eles mesmos." - Pág. 67

Ao contrário, os coadjuvantes (ou pelo menos a maioria deles) não decepcionam.  Link, melhor amigo de Ethan, é engraçado sem ser burro ou idiota (tudo bem, as vezes ele é), o alivio cômico de todo o livro.
            [A primeira fala é de Ethan.]
            " - Então ela é uma nerd de banda?
            - Não. É música. Talvez tenha o mesmo amor que eu por música clássica.
            - Música clássica?
            Link só tinha ouvido música clássica no consultório do dentista.
            - Você sabe, os clássicos. Pink Floyd. Black Sabbath. Os Stones.
            Comecei a rir." - Pág. 22

Amma, meio que governanta-empregada-babá de Ethan também não me encantou. Ela é supersticiosa, e trata o menino de 16 anos como se ele tivesse 8. Esconde tudo, não conta nada para ninguém, e muitas vezes ela me irritou.

As tias avós de Ethan talvez fossem uma tentativa de mais um alivio cômico, mas não deu certo, acho as três tias totalmente dispensáveis. A não ser pelo fato de serem uma ótima fonte histórica.
No livro, Ethan perdeu a mãe a uns cinco meses. E aí surge um dos melhores pontos do livro.
Muitas vezes, quando algum ente querido morre nos livros, tudo fica muito irreal, como se os personagens sequer se importassem com o falecido. Isso não acontece em Dezesseis Luas. Ethan não fica se lamentando o tempo todo pela mãe morta, mas ele se importa com o fato de ela não estar mais com ele, isso fica claro na leitura. Mitchell, pai de Ethan á uma parte muito depressiva da história. O jeito que ele simplesmente não consegue lidar com a morte da esposa nos leva a uma das cenas mais emocionantes do livro. Ele esta definhando, não sai de casa, não sabe o que é luz do sol a semanas... É realmente muito triste.


            "Ele parecia ainda pior que o normal. As sombras do rosto 
estavam mais escuras, e dava para ver os ossos embaixo da pele.
 O rosto estava verde de tão pálido por nunca sair de casa.
 Ele parecia um pouco com um cadáver vivo, já havia alguns meses.
 (...) Os últimos cinco meses foram difíceis para ele.
 Ele amava mesmo minha mãe. Mas eu também amava." - Pág. 31

Os parentes de Lena são um capitulo à parte. Macon Ravenwood é tido como o "bruxo" de Gatlin que mora "na mansão mal-assombrada". Macon é tio de Lena e isso leva a um grande preconceito sofrido pela garota da sociedade local. Macon é uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo que ele é estiloso e poderoso, age como Amma, esconde tudo e repito: chega um momento que isso irrita. Tia Delphine me pareceu, apesar de ter um poder interessante, ser uma inútil. Reece podia ser uma personagem incrível, mas quase não aparece. Pra que tio Barclay serve mesmo? A falta de espaço de Larkin na historia acabou comprometendo uma das revelações finais. Ryan é totalmente descartável. Althea tem, tem que aparecer mais no próximo volume. Ridley era o prato cheio do livro, me deliciava lendo as partes que ela aparecia.

Mas, no final, as autoras traem a si próprias, aniquilando a personalidade cruel de Ridley. Quer dizer, tudo o que elas colocaram no livro sobre a natureza má de Ridley simplesmente desaparece em um dos principais atos do livro. Parece confuso, mas quem ler, vai entender. Quer dizer, ela fica piedosa do nada?!?!? WTF?! Sarafine, por fim, é a típica vilã, podia ser um pouquinho mais original.
            "Mortais. Tenho inveja de vocês. Acham que podem mudas as coisas. Parar o universo. Desfazer o que foi feito muito antes de vocês surgirem. Vocês são criaturas tão lindas." - Pág. 389

Temos, a melhor personagem desse livro na minha opinião: Marian Ashcroft. Ela é a bibliotecária e era melhor amiga de Lila, mãe de Ethan. Ela é simplesmente incrível. Bondosa, simpática, exótica, inteligente, genial, prestativa... Aah!, ela é absolutamente maravilhosa.
 Por ser uma bibliotecária, ela é totalmente apaixonada por livros, e sempre tem uma citação na ponta da língua, e é mágico ficar vendo ela responder as pessoas com citações de outros lugares.

            "Marian sorriu e deu um passo a frente.
            - Como um grande homem disse: 'A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça em todo lugar.' E não vejo justiça nesse recinto, Sra. Lincoln.
            - Não venha com seu discurso de Harvard aqui.
            - Acredito que Martin Luther King Jr. não frequentou Harvard.

            (...)
            Marian abriu o guarda-chuva de novo, apesar de ainda não estarem do lado de fora. Sorriu diplomaticamente para a multidão.
            - Espero ver todos vocês na biblioteca. Não se esqueçam de que ficamos abertos até as 18 horas durante a semana.
            Ela assentiu para o ginásio.
            - 'Sem bibliotecas, o que nós temos? Não temos passado nem futuro.' Perguntem a Ray Bradbury. Ou vão até Charlotte e leiam na parede da biblioteca pública. - Macon pegou o braço de Marian, mas ela não tinha terminado. - E ele também não frequentou Harvard, Sra. Lincoln. Ele nem fez faculdade." Págs. 350, 351, 354 e 355.

Vocês devem estar pensando que eu detestei o livro. Não, não detestei. Citei acima que Lena sofre um preconceito por ser sobrinha no cara mais recluso da cidade. Margaret e Kami retratam o preconceito e todo o julgamento que ela sofre de forma magnífica, não tem como não sentir ódio da mente pequena deles, da aversão que todos tem ao diferente, do complô para acabar com a vida dela, é tudo muito bem escrito. Não vou entrar em um discurso de preconceito aqui, até porque eu acho que isso é humano, todo mundo tem; mas o jeito que todos agem contra Lena é de dar dó. Eles sequer pensam, simplesmente a odeiam automaticamente só porque ela é sobrinha de Macon Ravenwood.

" - É. Ela é gata. - disse Billy. (...)
Earl a olhou de cima a baixo e bateu a porta do armário.
- Se você ignorar o fato de que ela é esquisita. (...)
Em qualquer outro dia, eu o teria ignorado e teria ficado de boca fechada, mas hoje eu não estava com vontade de ficar calado.
- Então ela é automaticamente esquisita, e por quê? Porque ela não esta de uniforme, cabelo louro e saia curta? (...)
- Porque ela é uma Ravenwood." - Págs. 35 e 36

Ainda não consigo dizer se gosto ou não desse livro. Outro ponto negativo, mas insignificante é quanto eles citam o sul. Gatlin é uma cidade sulista. OK. Mas elas falam do sul demais!! Árvore genealógica sulista, simpatia sulista, guerras sulistas, tortas sulistas, casas sulistas, falta de neve no sul... Tipo, eu já entendi. Tem uma hora que você fica pensando: "Legal, as pessoas no sul do Brasil gostam de chimarrão e tem um sotaque lindo.". Fica meio cansativo.

Apesar de pecar nos personagens e em certos pontos, não posso falar que é ruim. Porque, Margaret e Kami criam um mundo maravilhoso. A narrativa é deliciosa, e elas colocam vários mistérios, o que faz você ler o livro rapidinho, apesar do tamanho, afinal, você tem que saber o que vai acontecer. 

Os personagens tem uma ligação com livros, não só Marian, mas Lila, Mitchell, o próprio Ethan gostam de ler, Lena faz poesia, Macon tem uma biblioteca particular (meu sonho de consumo), é interessante ver isso ao decorrer do livro.

" - Você sabe o que sua mãe dizia. Qualquer livro é um Livro
 Sagrado, e o lugar onde preservam o Livro
 Sagrado também é a Casa de Deus" - Pág. 109

O final é bom e ruim. Deixa um gancho maravilhoso para o próximo livro, sem contar uma relação passado e presente muito boa. Só que, o livro inteiro sua mente quer saber o que vai acontecer em 11 de fevereiro com Lena. Dezesseis Luas não tem capítulos por data à toa. É como se fosse uma bomba relógio. E quando chega lá... Quer dizer, é muito difícil falar sem soltar spoiler, então apenas digo, que o decorrer dos últimos capítulos é estupendo, com várias reviravoltas, e escolhas, e juramentos, e magia, mas quando chega no fim, no que vai nos fazer querer ler Dezessete Luas, deixa a desejar.

"Dezesseis luas, dezesseis anos.
Dezesseis dos seus mais profundos medos
Dezesseis vezes você sonhou com minhas lágrimas
Caindo, caindo ao longo dos anos..." - Pág 10

Se a história é, por si só, uma faca de dois gumes, não podemos falar o mesmo do trabalho da Galera Record, que está incrível. Amei a capa, diz muito sobre o livro, além de bem feita e agradável de se ver. A diagramação é linda, casa perfeitamente com a história, revisão está boa, erros ortográficos são muito raros e a tradução está ótima, Regiane Winarski merece parabéns, traduzir esse livro não deve ser fácil, as autoras inventaram vários termos e Regiane se saiu com louvor ao transformá-los em português.

Mas e então? Dezesseis Luas vale a pena? Como eu disse no começo dessa resenha, me diverti lendo. Se você gosta de YA Sobranatural com muito mistério e nem tanta ação, é um prato cheio. Para os amantes de romances, vale a pena também, já que o amor de Ethan e Lena fica claro. Digamos que, qualquer um pode amar esse livro. Porque ele tem potencial pra isso. Só não coloque expectativas demais. Por fim, eu falaria que Dezesseis Luas é uma diversão, não um livro excepcional.

Desculpe-me se a resenha ficou um pouco confusa e grande. É fácil fazer resenha de um livro que você amou. Mas fácil ainda de um que você detestou. Agora, quando você fica no meio-termo, a coisa complica. Além do mais, Dezesseis Luas é complicado, tem que se analisar minuciosamente.

Se eu vou comprar Dezessete Luas? Claro! Como eu disse, o gancho para o próximo livro é ótimo.
           
"Dezessete Luas, dezessete anos,
Olhos onde Trevas ou Luz aparecem,
Dourado para o sim e verde para o não,
Dezessete, o último a saber." - Pág. 485


Sobre a autora da resenha: "13 anos, nerd não assumida, canhota, sonha em conseguir cantar a música tema de The Big Bang Theory, faz dancinha na abertura de Friends, ama ler desde... Bom, desde sempre, adora ficar sozinha, ama som de ondas no mar e diz que palavras tem um poder muito maior do que a maioria das pessoas pensa" 

Twitter @cami_m_moura, esse e-mail e o MSN:
camilamiranda_moura@hotmail.com


Camila, agradecemos muito por sua disponibilidade em resenhar para o blog!
Aguardaremos outras participações, heim?


E aí, pessoal, gostaram? Não deixem de comentar!
Querem participar e ter suas resenhas publicadas no Leituras & Devaneios?
Adoraríamos saber o que vocês andam lendo... Inscrevam-se AQUI!

Comentários
26 Comentários

26 comentários:

  1. Sou louca pra ler essa série! Só vejo comentários positivos, e sua resenha tá tão empolgada que até me animou mais um pouquinho hahaha

    Beijinhos,
    @CamilaCandomil
    | Seleção Literária | http://selecaoliteraria.blogspot.com |

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro 16 luas, comprei sem olhar resenha e foi bom ler a história sabendo somente a sinopse e o primeiro capítulo.
    Acho que este livro rende um bom filme.

    ResponderExcluir
  3. Entendo perfeitamente você... eu também gostei do livro, mas algo não me agradou... mesmo quando leio sobrenatural, sabendo que tudo aquilo não existe e tal, creio o autor deve passar credibilidade sobre o que está escrevendo... e não senti isso nesse livro... não colou...
    Acho que nem vou ler o segundo livro... se você ler me conta o que achou, tá??rss
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Bem, essa é a primeira resenha que leio que coloca pontos negativos desse livro (sério, rs.), mas eu entendi e concordo com várias colocações suas! :D
    Ainda não li 16Luas e espero poder ler em breve e ver o que eu vou achar!

    :*
    Mi
    Inteiramente Diva

    ResponderExcluir
  5. Quando o livro foi lançado eu fiquei com muita vontade de ler... Mas depois desanimei! Poxa... para uma garota de 13 anos, você escreve muito bem! (Segredo, só entre nós aqui, eu também faço a dancinha na abertura do Friends)...

    ResponderExcluir
  6. Estava super afim de ler essa série, mas já i várias resenhas "meio termo" e sinceramente não sei o que esperar.
    Acho que vou aguardar mais um pouco antes de me decidir o que fazer.
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Ei, resenhista nova por aqui? Parabéns Camila, adorei o modo como você escreve. E gostei dos elogios aos sulistas do Brasil ;x hehehe
    A resenha ficou longa mesmo e, mesmo não tendo tantas expectativas sobre esse livro, quero bastante ler, o fato de ser uma leitura divertida já anima.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Oi meninas!
    Adorei a resenha!! Estou lendo Dezessete Luas agora, então foi bom lembrar um pouco do primeiro livro.
    A Lena está me dando raiva no 2º livro... Ela é tão depressiva que eu fico deprimida lendo D:
    Eu achei linda a história do pai do Ethan, pra mim ele é um dos personagens mais interessantes. Adoro a Marian também.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  9. Sou absolutamente louca para ler esse livro desde sempre, rs. Mas nunca tive a oportunidade, não consegui comprar até agora. ARGH!

    Beijos,
    Mandi - Book and Cupcake.

    ResponderExcluir
  10. ÓTIMA RESENHA, PARABÉNS CAMILA!!!!
    Beijos, te adoro.

    ResponderExcluir
  11. Oie!

    Eu gostei desse livro, mas nem tudo nele é perfeito kkkk

    Tem várias que não deceram muito bem hahaha

    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Lariiii,
    Adoreiii sua resenha com todos os pontos positivos e negativos do livro. Eu gostei do livro, mas tb não o achei excepcional. Mas é uma leitura bacana, quero ler a continuação!
    ;-)

    Bjoo,
    Daniela Tiemi
    www.livrosfilmesemusicas.com.br

    ResponderExcluir
  13. Sei lá pq achei q fosse resenha da Lari! kkkkkkk
    Parabéns, Camila! Adorei a resenha! Bjo;

    ResponderExcluir
  14. Nossa, que resenha gigante! hahahaha
    Adorei a resenha, mas não me interessei muito pelo livro

    ResponderExcluir
  15. Olá!

    Eu ainda não li, mas tenho vontade! Eu amo um bom YA sobrenatural, bem divertidinho. Acho que irei gostar bastante desse.

    BjoO
    Pri
    Entre Fatos e Livros

    ResponderExcluir
  16. Parabéns pela resenha Camila! Estou ansiosa para ler Dezesseis Luas e Dezessete Luas! Beijos!

    http://newsnessa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Oii!
    Já li esse livro e gostei muito...
    Achei super interessante a história! Gosto muito de YA sobrenatural! *-*
    Estou super ansiosa pra ler o dezessete luas. O gancho no final do livro é realmente ótimo e concordo com vc quanto ao final ser bom e ruim ao mesmo tempo! rs É dificil explicar ne?!
    Adorei a resenha...
    Beijos,
    Lara E.

    http://naspaginasdeumlivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Sou louca para ler esse livro, mas ainda não tive tempo!
    Adorei sua resenha...
    mas o melhor foi saber que a autora só tem 13 aninhos!!!!
    quanta sabedoria!

    bjooo

    ResponderExcluir
  19. Aaaa que orgulho da minha Cami *-*
    Linda resenha !
    Besso , te adoro s2

    ResponderExcluir
  20. Nossa, a tempos quero esse livro (outro que quero comprar) ainda no aguardo de uma promoção! kkk.

    Uma coisa que acho mega legal, é que o Ethan aparece como principal (ao menos pra mim)geralmente a história já dá início com a mocinha e tudo, mas aí já vem com os sonhos dele, não é isso!?? Entendi certo!?? Ele tendo visãoes dela!??
    Então gosto que o livro venha com mais enfâse nele.

    Mas ela ser nova demais me desanimou um pouco agora, tenho de confessar.

    Outras coisa: essas repetições são chatas mesmo, como vcs citaram que falam muito do sul, aí deixa a gente com vontade de matar o tradutor (será que ele não viu isso! ou o autor não tinha um vocabulário muito extenso! kkkk).

    Faby - Adoro Romances de Aracaju

    ResponderExcluir
  21. Eu não entendi quase muita coisa porque acho que tenho que ler para saber. Então fiquei confusa. Mas me deixou curiosa a sua resenha.

    ResponderExcluir
  22. Verdade, concordo com você, é complicado fazer resenha de um livro meio-termo. Porém adorei a sua, não achei que ficou confusa, comprei esse livro já faz um bom tempo, agora só falta eu ter tempo para lê-lo.

    Beijos&beijos
    Book is life

    ResponderExcluir
  23. Esse livro é muito boom! Estou louca pra ler a continuação :))

    ResponderExcluir
  24. Simplesmente preciso desse livro. Está na minha lista há séculos mas sempre fica de lado na última hora, tadinho. Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  25. Camila, é uma grande alegria ler uma resenha como a sua, que sabe, acima de tudo, diferenciar o trabalho das autoras do trabalho da tradutora e da editora. Muito obrigada por suas palavras. Eu sou uma apaixonada pelo meu trabalho e pelos livros que traduzo, e procuro acompanhar quando posso o que se diz sobre eles por aí. Fui avisada da sua resenha e vim correndo ler. Parabéns pelo seu texto!
    Bj,
    Regiane

    ResponderExcluir
  26. A resenha foi bem esclarecedora, apesar dos pontos negativos e da personagem lamentadora...kkkk ainda tenho vontade de ler esse livro...
    Fiz um preconceito com o livro, não pretendia lê-lo e o deixei passar várias vezes por mim quando estava emp rpomoção e agora me arrependo!!!!

    Parabéns pela resenha
    Adorei
    Beijos
    Chrys

    ResponderExcluir